o capital

sujo
sujeito
sugado
pelo sistema

a mão que sangra
na ponta da faca
daquele
que tenta

fugir.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

_______________________

vendo
vazio
em pacotes
de todos os tamanhos

leve três ausências
pague duas
na promoção

uma lacuna de brinde
se chegar cedo

um vácuo para tomar
caso demore

por nada.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

cabeça

de prego, agulha, alfinete
de vento
de pau
da empresa, do esquema
do capítulo, matéria, poema
do crime: a inteligência
em parafuso
perdida
quebrada
inchada
exaltada
explodindo
erguida ou fresca
num susto, quando é busto
feita, raspada
sagitários, lado a lado na linha de chegada
é o papo
onde nasce o próximo plano
ou talvez um engano
para me justificar.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

aprendendo a escrever

narra, narra, narrador
serra, serra, serrador
serra, serra, serra
a
dor

Publicado em misturas | Deixe um comentário

claustro

de que forma
é possível uma palavra respeitar?
deixando-a livre do grilhão da forma
ou botando numa linha para andar?

seu voo, aberto e sem planos,
corre feito rio curvilíneo

aprisionada nos ditames categóricos
para fins meramente alegóricos
são malabares tão egoicos
ditaduras do falar.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

da mulher distante

há um sorriso que escapa
logo, contido;
enquadrado na carapaça
de linhas retas que embalam
o vazio

há uma mulher que escapa
pelo baile dos olhos
na obliquidade das interjeições
e se aquieta, arrefecida,
no vapor dos senões.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

nevrálgica

pinça o tendão
repuxa
no entre
pélvico
sorumbático, soturno
num poente
estático
de fluxo
e seiva
na nervura
fértil
mágica

nevrálgica.

Publicado em misturas | Deixe um comentário