Arquivo do dia: abril 6, 2011

o que não se vê do carro

dobrava o papel mãos lépidas intrépidas tridimensionavam o papel faziam os dedos mais que seu papel dobravam o previsível dobravam os sinos dobravam obtusa oblíqua mente à guisa da lente do povaréu dos túneis verdes do borrão-breu dobrava, calmamente acariciava … Continuar lendo

Publicado em poesia | 1 Comentário

a ponte

aponte adiante a fronte afronte adiante o passo aponte a ponta a cinza a ponte o passo na ponte a fronte compasso afronte a ponte de aço açoite devora a noite explora açoite asas casas o rio debaixo da ponte … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário