a ponte

aponte
adiante
a fronte
afronte
adiante
o passo
aponte
a ponta
a cinza
a ponte
o passo
na ponte
a fronte
compasso
afronte
a ponte
de aço
açoite
devora
a noite
explora
açoite
asas
casas
o rio
debaixo
da ponte
o rio
caminho
o tao
o tal
do rio
sinuoso
o rio
curvo
o corpo
o rio
a curva
do ventre
da ponte
da fronte
o tempo
da têmpora
do pulso
do lusco
do fusco
da noite
da ponte
da luz
ofusco
o músculo
que aperta
a noite
na ponte
contrai
atrai
e trai
na ponte
a noite
as asas
no rio
que some
debaixo
da ponte
no instante
em que dizes
teu nome.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s