espaços

entre a ação e o arrependimento
o remédio: pensamento
impulsos doídos na carne tesa
olhares reprimidos em pupilas espessas
solilóquio intermitente em
o s variantes
n a
d

binárias sinapses rasgam o cérebro
rastilhos de luz, de raios
faca que risca o chão mórbido das cogitações
império solitário de um eu aprisionado
a pregar nas paredes, nos desertos

zíper, casulo, tremor
veia cravada pela fina lâmina do torpor inesperado
os olhos passeiam pelos contornos dos outros
danças ensimesmadas de convenções
e ali, enxergamos o futuro
na impossibilidade do pretérito
na probabilidade do porvir
na imprevisibilidade dos cheiros
dos álcoois

desenha, flamba a pele
colore, mistura na boca rasgada as cores monstruosas
da transgressão.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s