acústica

feito cofre perdido na selva
todos observam a redoma
vidro, reflexo, calor concentrado
ar-condicionado, afetado, rareado
oxigênio-luxo, pensamento-padrão
horas manualizadas, teclados em riste
dedos de aluguel, cérebro maquinado
virtuais verborragias
congelamento, algemas, bateoponto
escarra no espelho do banheiro
a hora do descanso
labora, declama os chavões,
alforria do almoço, afunda no futebol
lembrança verde, indulto da alma
cárcere amargo, carne crua, osso de roer
nuvens abrefechamchovem
continua no compasso entrópico
caga fórmulas pelas paredes
espirra obviedades em laços de presente
finca os pés em passos verticais
couro engraxado
calças sociais
flerta, foge, come, nega
discursa, molda opiniões, sendo pária
irmãos de sangue vendido
comprimidos para dormir e voltar
beber, quando pode
às vezes trepar
no grilhão, poltrona quente
há de esfriar
na infinitude incerta
à espera do prévio aviso
dos seguros, dos benefícios
da possibilidade de correr, olhar, cheirar
desligar-se da tomada
unplugged life.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s