sublime cantar*

Perca sua voz
nas frestas do ar
toque a alma cansada
do poeta a ninar
acaricie o cabelo
do homem que dorme
de tanto chorar

Perca sua voz
no menino descalço
amenize nas rugas da lavra
o grande percalço
rompa, do homem sisudo,
os nervos de aço

Perca sua voz
à beira da janela
espalhe pela urbana
inebrie a cidadela
beije os alvos fios
de quem lhe acende uma vela

Perca sua voz
no vestido lívido
que pela ladeira desfila
a retirar do idoso lúcido
e do garoto levado
suspiros de elegia

Perca sua voz
na armadura montada
em nós de gravata
nos mares de notas
e lagos de moedeiros
force a poesia
para dentro do peito
que lucra e não vive

Perca sua voz
no ébrio partir da noite
envolva a alvorada
com suas sagradas harpas
supere os céus, os planaltos
e as eternas esplanadas

Perca sua voz
na ausência do tom
no concreto marcado
crava no asfalto seu dom
Pétalas emana
nas notas que proclama
bendito é seu som

Perca sua voz
por entre minhas cortinas
abandone a mulher
traga para si a menina
deixe que o vinho se espalhe
sobre a pele que lhe ilumina
perca sua voz em meus beijos
no homem que lhe sublima.

*maio de 2003

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s