névoas

são muitas as cinzas polvilhadas neste pote antigo
disformes também as que trafegam impunes pelos ares
juntam-se em quadrilha, massificam em bloqueio, desafiam o halo diurno
esfriam
deprimem
fraturam

órbita nebulosa, correntezas violentas sobre os poros
perdidas

solilóquios na mansão rota
partida

uma voz baixa, distante e virgem
sombria

mãos compridas, dedos longevos
saída.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s