ponto de vista

Pudera contemplar o mundo de tua janela
As curvas esverdeadas das montanhas
O luzir intermitente dos rios
Tragar a parada do tempo
Sorver o perfume da espera

Vasculhar os cômodos das memórias
Amar-te sem tua presença
Escrever-te cartas não-remetidas
Brincar de fogo
Com tua ausência

Suplicar teus perdões e aceites
Diante do espelho
Vestir as roupas do teu armário
Polir o rosto com tuas cores
Escalar os saltos
Dos teus pecados

Ouvir tua voz nos gravadores
Ranger as portas
Bater panelas
Gerar o filho
Ou, talvez, Ela

Pudera contemplar o mundo de tua janela
Ser-te, lentamente
a cada hora
Sentir o eco da quimera

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para ponto de vista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s