urbanas – 2

ângulos retos
teus quarteirões
ambulam os cantantes, sorrateiros
e os senões

tuas curvas retas
e os galpões
sussurram baixo
feito batalhões

beijam açúcar
e de café
molham os dentes
turvos da mulher

nuvens esparsas
calor tão frio
espalham flamas
pelo desvario

terror-silêncio
ruas febris
largos ponteiros
demoram mil abris

as novidades agarram
os teus braços
as cores desafiam
o torpor de aço
os letreiros
em dezenas
quarentenas

petiscos de multidão
pastores, poetas
demônios, espelhos
chás de toda sorte
raízes travam tornozelos
sussurros
arrepiam
os pelos

selva, luzes, quadros
museu de silêncios
que descola
decola
dista

em minutos
evapora
mas teima
namora
implora
a volta.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s