desenho

a coragem de apontar o lápis
aprontar a folha única, branca,
enquanto começa a chover.

encerrar os barulhos de dentro
fora
concentrar o olhar pronto
ordenar os músculos em marcha
sentar na posição correta
da contemplação.

o cuidado de esticar a lâmina branca
a sabedoria de empunhar o grafite
inspirar na profundidade
do primeiro traço.

iniciar pelos cabelos
evidenciar a complexidade das cores
mostrar os degradês à luz
da luz
gastar goles e tempo nas sobrancelhas
rodear o mundo nos perigosos olhos
perder-se mil vezes na boca
barroca.

esticar o traço pelo pescoço. parar.
mais um trago. pensar.
vasculhar a mobília, lago plácido da reminiscência.
desconcerto.
volta.

descontinuar o traço, representar o fulgor
arredondar os contornos. relevo. prender-se.
abrir o ângulo. vales dos quadris. morrer-se.

envolver as pernas em riscos infames
deleitar-se com a proximidade do chão
esperar um pouco antes dos pés
revisar da obra o conjunto
não há senão

esticar os dedos, pintar as unhas
rubras
vestir o corpo, mas contemplar,
indefinidamente

genética da inspiração.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s