ocre

lembro, era tempo
de amanhecer
rosto lavado por águas noturnas
um passado à palma da mão

semblante banhado de ocre
carinho amplo da rouquidão
perdia-se entre letras difusas
silenciava na contramão

sobretudo
sobre seus todos
sobra-me pouco

escuridão.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s