Arquivo do dia: abril 23, 2015

calar

à luz âmbar, divã: examino-me na fronteira mundo-carne – espanto. das substâncias fluentes textos e beijos: lamentos. brisas noturnas ceifam o querer aplacam em sordidez pura qualquer dizer perder-se nos vãos barrocos da memória, saída provável sonhar a dissolução da … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário