Arquivo do mês: julho 2015

ter

poder a posse reter o teto driblar a sorte curvar o reto beber o cão beijar o poste chorar nas cócegas voar a esmo apostar as fichas sem ter direito não crer no fim morder a ponta da faca cruzar … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário

ciclo

há uma gota, límpida, ensimesmada a cruzar ares cinzas, brancos, anis existe apenas o seu peso e, aprumada, vislumbra o inevitável altera pouco sua forma no trajeto: ao lado, sibilam quedas similares permanecem, todavia, na retidão dos cada quais espalha-se … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário

soneto inglês

ah, no úmido recôndito ouço um brado a profundidade da brancura pueril espanta-me em olhar arrebatado comprime o peito em devaneio febril espalhado na alcova, sussurro: pecado de meus pensamentos, jorra-te líquido vil arranca da minha pele o medo inacabado … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário

nostalgia

haverá no rincão de qualquer memória fagulha viva do remoto outroras sedimentados entre rios de frustrações vales desesperados fulgores repentinos intermináveis celebrares o tempo que contra si corre no sufocante encontro entre o agora e o fim olhar para trás … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário