nostalgia

haverá no rincão de qualquer memória
fagulha viva do remoto
outroras sedimentados
entre rios de frustrações
vales desesperados
fulgores repentinos
intermináveis celebrares

o tempo que contra si corre
no sufocante encontro entre
o agora
e
o
fim

olhar para trás neste inevitável jornada
ao mesmo tempo em que se come o suculento
prato do agora
e saboreia-se a ilusão adocicada
do porvir

redesenhar à vontade, de pernas estiradas
o que (não) foi:
esticar, comprimir, inflar, eliminar
edição permanente ao nosso gosto:
quando a história torna-se estória
num punhado de nós

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s