ciclo

há uma gota, límpida, ensimesmada
a cruzar ares cinzas, brancos, anis
existe apenas o seu peso e, aprumada,
vislumbra o inevitável

altera pouco sua forma no trajeto:
ao lado, sibilam quedas similares
permanecem, todavia,
na retidão
dos cada quais

espalha-se na superfície
e, surpresa, desfaz-se em mil outras
multiplicadas em cacos líquidos
a dissolver os eus nos chãos

eis, repentina, a flama inesperada
esculpe corpo novo entre as águas
espalma, decidida,
cria cortina
evaporada

vida acima, acelera
dança, louca e musicada
faz das curvas a florada
da à luz viril loucura

condensada, espreme-se
torna-se corpo, novamente
trêmula, observa do alto, o todo:
precipita-se
apaixonada
mente.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s