noite-dia-noite

juntos
cometamos o crime
lento e suculento perjúrio
à luz do dia

façamos noite deste todo
ainda que, no alto, haja sol
dualidade à Magritte
passado-futuro
em fusão

do solo, a emergência
milhões de peixes enovelados
na teia indelével da ânsia
o frio espalhado entre os dedos
num vacilante caminhar

apagou-se o mundo
não havia passantes,
uma voz sequer a ecoar
apenas caminhava,
curvilínea e indelével
nas esquinas curtas
de Paris

os bacantes sorrisos
mordiscavam desejos em silêncio
tão longo foi o tempo
a preparar o fim-começo

brotavam chamas dos negros frios
a enquadrar o rosto desviante
perfume urbano, esculpido
no submundo do indizível
conduz a tua mão quente
pelos labirintos da ternura

eis que, por trás dos prédios
o tremer de uma terra fértil
a todos assusta: na noite-dia,
o clamor da fatal fusão
o desespero do ser-o-outro
a malícia de sentir-se em casa
o prever mil outros futuros
arrancar a pele, os cabelos
na fúria de lábios, unhas
e línguas
o pecado

há como calar a metrópole
sufocar o caos e os caracóis
da cidade tensa
dedilhar, sem partitura,
as reentrâncias em surpresa
esperar-te, onde for
em meio às serras

ser espelho e discórdia
porvir amplo feito o mundo
reter o corpo com fome
de quem a história, toda,
vai devorar.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em misturas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s