menino

Não são poucas as vezes
Em que o menino
Por trás do arbusto
Se esconde

Palpita-lhe o peito
A lâmina dúbia:
Ansiar pelo perigo
Sorrir de vida

Ficar ao relento
Enquanto cai o sereno
Agasalhar-se em longos
E sanguíneos beijos

Sentir-se em casa
No fora
Que, de tanto avesso,
É dentro
Vestido para festa

Por entre as folhas
Espiar o destino
E, num cerrar de olhos,
Embarcar

Apagar as luzes
Brincar com as sombras
Que só o breu
Faz sonhar

Pular no rio
E, na correnteza,
Ser o mar.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em misturas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s