alvorada

como será o dia
em que, descortinada,
deixará que entrem os feixes
e tatuem com suas quentes listras
o corpo a repousar?

onde estarei
vigilante dos teus relevos
quando a alvorada murmurar?

quantos pecados
hei de acumular
ao ver-te, de novo,
começar?

que torvelinho
que pensamentos
tecerão a febre dos teus sonhos
à beira do despertar?

que lençois e perfumes
legaremos ao mundo
ao acordar?

saberão todos pelos jornais
dos tremores noturnos
em que morremos em gritos abafados
de tanto esperar

haverá sons de trabalho e caos
sinfonias, pregadores, batidas
gargalhadas, brigas, balas
garrafas, à mesa,
vazias

carros esparsos singrarão
sob a janela
sem saber, ao certo,
o porquê do mundo parar

tantas músicas cairão dos céus
em tempestade grafitada indolente
nas tuas paredes

seus contornos elevados, revirados,
explorados, fustigados, escritos,
esculpidos,
reverenciados

suspiram profundos,
quietos,
à espera
do dia seguinte
de ver o que há.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em misturas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s