labirinto

um sufoco comprimido
entre punhos cerrados
esfrega
no chapisco
a faísca
do rosto

desejos jamais
são impunes,
dizem os sacerdotes

quantos pregam,
praguejam, silenciam
vacilam à frente
do abismo

labirinto a soar
intransponível
um despencar gelado
infinito

grito explodido
em pranto doído
entre ontem
e o porvir

amargura em cada gole
um estar constante
num lugar outro
a driblar a quietude
e a paz renegar

as forças esmaecem
conforme passa o tempo
futuro em névoa
solilóquio tremendo
um fim cortante
em notas longas
um ocaso lento
de dor.

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em misturas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s