claustro

de que forma
é possível uma palavra respeitar?
deixando-a livre do grilhão da forma
ou botando numa linha para andar?

seu voo, aberto e sem planos,
corre feito rio curvilíneo

aprisionada nos ditames categóricos
para fins meramente alegóricos
são malabares tão egoicos
ditaduras do falar.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

da mulher distante

há um sorriso que escapa
logo, contido;
enquadrado na carapaça
de linhas retas que embalam
o vazio

há uma mulher que escapa
pelo baile dos olhos
na obliquidade das interjeições
e se aquieta, arrefecida,
no vapor dos senões.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

nevrálgica

pinça o tendão
repuxa
no entre
pélvico
sorumbático, soturno
num poente
estático
de fluxo
e seiva
na nervura
fértil
mágica

nevrálgica.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

cárcere, privado

tapete feito para ocultar
problemas

metacriminalidade

fratura exposta no choque
de foices e colarinhos

gatunos sociais, soltos
ladrões de galinha, em gaiolas

Publicado em misturas | Deixe um comentário

istambul

nas mesquitas, um grito
repetido, rivaliza
com o ruído da multidão
que aflora
das tuas entranhas,
também de fora
sedentos todos
pelo caos

tecido de cimento,
as vias embolam o tráfego
dos afetos e mercadorias
fluxo de excessos:
melancolia

a umidade dos banhos
evapora o cárcere vizinho
de seres empoeirados,
estátuas vivas
mortes ambulantes
terror

és a soma de tantos hiatos,
do Bósforo às fronteiras
que antecipas
no agridoce das tuas águas
revolvidas no choque
de hemisférios

vielas que cheiram
a carne queimada:
delícia e pena.

Publicado em misturas | Deixe um comentário

amsterdã

que serão de meus olhos,
tão altas as mulheres
destes países baixos?

Publicado em misturas | Deixe um comentário

sagitário

seu duplo, múltiplo:
o arco, estendido,
prepara o golpe certeiro

dia-noite
começo-fim
coragem-pavor
claro-escuro
nada-tudo:

o espanto
de despertar
e saber
que teu dorso
é casa.

Publicado em misturas | Deixe um comentário